Com firme propósito a idolatria Justin Bieber pode ser muito útil!

D I S C U T I N D O          I D O L A T R I A




                                  
Luíza Pereira Mello (10 anos) escreve sobre Justin Bieber


10:36 da manhã. Ouvindo One less lonely girl, musica de Justin Bieber, no volume treze, pensando em algum texto que possa surpreende-lo! Minha mãe vai trabalhar Justin Bieber na escola dela. Ela não é muito fã dele mas prefere ele do que as vuvuzelas coloridas. Mas agora, eu quero falar o quanto Justin Bieber é especial para mim! Ele chegou do nada. Com talentos muito bons que surpreenderam a todas as garotas e a alguns garotos. Tem alguns que não têm gosto musical e não gostam das musicas adoráveis dele. Isso eu chamo de doença. Algumas pessoas acham Justin Bieber vaidoso demais! Eu acho bobagem porque todas as pessoas têm vaidades! As pessoas que dizem que não têm vaidade são MUITOOOO mentirosas! Como descobri ele? Bem: MTV, amigas, internet... Comecei só gostando de Baby e então comprei a revista GATOS da Atre e vi a ficha dele o poster dele e então no final da revista tinha uma lista de gatos!Primeiro, segundo, terceiro.. Quem é o gato numero um? Justin Drew Bieber! Nossa, que vitória! Deve ser muito divertido saber que você é o famoso mais bonito de todos! O garoto que valia cem dólares, agora vale 1 quadrilhão de dólares! E acho que não estou exagerando! Há muitas comunidadades do Justin Bieber no Orkut! Eu tenho só comunidades dele! Ele é meu único amor mesmo! Eu tenho 174 comunidades dele! Eu até criei um que se chama Justin até em quadrinhos! Justin Bieber é querido e amado por suas fãs! Ele é uma gracinha!Tem um coração que parece um grande poema de Fernando Pessoa! Ele canta tão bem! É tão talentoso! Ganha de mil sempre comparado com o resto dos garotos famosos! Justin Drew Bieber, todas somos suas fãs numero um! Nós nos unimos só de amor...Não tenho palavras para dizer...que eu te amo!

Como mãe da garotinha que escreveu o texto aí acima, será que devo me preocupar? Decidi estudar a questão. Vamos adiante...

Definindo a palavra IDOLATRIA

Essa palavra vem do grego eidolon, “ídolo”, e latreuein, “adorar”. Esse termo refere-se à adoração ou veneração aos ídolos ou imagens.  Diante deste sinificado muitas igrejas criticam qualquer tipo de idolatria que não seja referente a Deus, pois acreditam que a idolatria seja algo ruim, já que seus devotos, em vez de depositarem sua confiança em Deus, depositam-na em algum objeto, de onde não pode provir o bem desejado; e, em vez de se submeterem a Deus, em algum sentido submetem-se a valores representados por aquela imagem. 



            ALGUNS ESPECIALISTAS DISCUTEM IDOLATRIA




      Por que adolescentes costumam ter ídolos?
(Augusta Baldaia)

O adolescente não é criança, mas também não é adulto, e desse contraste resulta uma tomada de consciência de si mesmo e dos outros, o que resulta na já anteriormente referida tentativa de recusa de uma identidade anterior e infantil, rejeitando assim os modelos da infância – pais – e partindo à procura de novos modelos. O adolescente passa a personificar nos seus ídolos as figuras dos adultos ideais, papel que os pais nesta altura não conseguem desempenhar. São as características comportamentais, físicas e ideológicas destes adultos ideais, que o adolescente vai tentar integrar nesta sua nova identidade. Nesta fase o adolescente apresenta uma certa instabilidade já que está mudando tanto física quanto psicologicamente, o que explica a influência dos ídolos sobre o comportamento dos jovens.

Ter ídolos pode ser algo benéfico? 
(Dra. Josiane Buratto)

A construção de um ídolo, para o adolescente, é de suma importância, já que define comportamentos que poderão ser ou não aceitos dentro de seus respectivos grupos. A subjetividade desse jovem também muda conforme o tipo de cultura e de situação social na qual ele está inserido, mas a conduta de possuir um ídolo continua sendo importante para o jovem, pois na infância, os ídolos das crianças são seus pais, e na adolescência, já que os jovens dão maior importância ao mundo social, aos amigos, elegem um ídolo que não pertence a sua família, e sim conhecido e admirado por todo o seu grupo social. Na adolescência, há maior identificação com o mundo externo, sendo que quando um adolescente idolatra algum artista, ele está buscando uma forma de se identificar com algo. Ou seja, aquele ídolo é em parte, o que ele gostaria de ser, ou ter. Isso acontece porque sua própria identidade ainda não está formada.

Quando a admiração vira obsessão? 
(Prof. Miguel Perozza)

  



A idolatria só vira um problema quando se prolonga até a vida adulta e, de admiração, vira obsessão, causando prejuízos para a vida da pessoa. "Nesse caso, denota uma dificuldade de assumir-se como um ser único, independentemente do ídolo. É esquecer-se de si e ficar sempre na rabeira de alguém, de uma tribo. No fundo, é uma fuga de si mesmo, da angústia de ter que fazer suas próprias reflexões e escolhas". É o caso dessas pessoas que perdem a noção da realidade e fantasiam que têm realmente um relacionamento com seu ídolo. Um exemplo são as groupies, aquelas meninas que querem bem mais do que um autógrafo ou ver seus ídolos ao vivo.  "Esse é o tipo de pessoa que só se sente importante através do outro. Provavelmente não foi incentivada a fazer suas próprias escolhas, mas a obedecer", explica Perozza.

CURIOSIDADE- O termo "groupie" surgiu nos anos 60, criado pela revista Rolling Stone, a "bíblia" do rock. Aquela época - anos de ouro do rock´n´roll - foi o auge das groupies. Quem não se lembra de já ter assistido vídeos antigos de shows do Elvis Presley e Beatles, com aquelas meninas fazendo escândalo e aos prantos?


 





Algumas declarações do video que merecem observação:

•  O que sentimos por ele é inexplicável. (Será que não é importante que saibamos dizer as razões que nos fazem amar tanto alguém?)

•  Somos capazes de desistir da eternidade para poder tocá-lo. (Isso é mesmo sério?)

• Sem você o mundo não teria cor, som, nem alegria. (Isso pode ser perigoso)

• Você é a parte que faltava no coração de cada fã. (O coração deve estar sempre pronto para novas observações)


• Pois é Justin, chorar por você já se tornou rotina. (Isso pode ser ainda mais perigoso)

• Ter você em minha vida foi simplesmente a melhor coisa que eu já conquistei. (Mas a vida é feita de conquistas diárias!)


A opinião da professora, mãe de Luíza Drew Bieber



Às vezes é mesmo chato ouvir seu filho pronunciando o nome do ídolo dezenas de vezes ao dia e pedindo na banca de revistas um monte de coisa aparentemente sem serventia.  Às vezes é tão voraz que você como mãe começa a questionar até onde esse negócio é normal. Mas, de repente comecei a pensar que também tive meus ídolos na infância e na adolescência, a diferença é que não havia internet e TV a cabo para alimentar toda a especulação. Meus ídolos da  infância eram a Xuxa, o Trem da Alegria, New Kids on the Block. Na adolescência, alguns astros do rock. Possivelmente, todas as pessoas das últimas gerações tiveram os seus ídolos, porém muitos pais esquecem.  Conversei com a neta de uma anciã alemã certa vez e ela disse que na sua adolescência todas as garotas eram loucas por Hitler. Diante desta informação, qualquer idolatria passa a ser fichinha. Bem, mais ou menos. Não é bem assim. Sabemos de alguns problemas envolvendo essa história de idolatria. Muita gente deixa de estudar para ficar horas procurando fofocas e imagens de seus ídolos. Há quem se submeta a ficar dias em uma fila para ver seu ídolo de perto nos shows. Também há aqueles que prometem suicídio caso não consigam chegar ao camarim daquele que juram ser a sua razão de viver. Tem que haver  uma medida saudável, dizem os especialistas.  Luíza foi ao show do Restart e voltou apavorada com a idolatria sem limites das garotas que gritavam e choravam diante do grupo. Achei ótimo, pois o fato leva-me a crer que está tudo sob controle e que a Luíza está passando por uma fase de descobertas.  Também procuro fazê-la observar e valorizar as pessoas próximas que têm histórias de vida que merecem admiração, apesar de serem anônimos à mídia. Essa fase vai longe ainda, mas não me importo, desde que ela não deixe seus afazeres como estudante e viva sua infância e sua adolescência de forma feliz, sem colocar seus ídolos como o centro de sua vida. É parte do processo para que ela desenvolva sua personalidade e para que tenha uma vida adulta feliz!

posted under |

5 comentários:

proibidoparameninos disse...

Muito bom mãe!!Principalmente o ultimo texto!!
Ficou muito legal!

gabriel disse...

por querem ser crianca e tambem sao adolesentes

gih.teamo_muito disse...

.Bom eu sou muito fã da banda "RESTART".Os adolecentes costumam ter idolos porque é uma moda que os adolecentes gostam.

nicolas disse...

os adolescentes costuman ter idolos por moda,pelos amigos,a musica,e o estilo dos cantores.Mas os pais ñ comcordam muito com isso mas mesmo assim os adolescente gostam.

Rafaela Casemiro disse...

Aline, sua proposta de discussão de temas que envolvem o drama da adolescência está ótima!!!

Rafaela
Taiza
PROLER

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Quem sou eu

Minha foto
Professora de Língua Portuguesa e Literatura da rede pública estadual nas séries de Ensino Fundamental e Médio. Amante de música. Libertária. aline.correio@gmail.com

Diagnóstico Social

Diagnóstico Social
Diagnóstico Social da Criança e do Adolescente de Joinville

Followers


Recent Comments