Realismo e Naturalismo

Resumão para os segundos anos

O Realismo foi, em suma, um movimento contestador dos ideais românticos na Literatura. Opôs-se ao idealismo romântico, voltando-se a certa visão mais verossímil da humanidade, tocando seus defeitos, suas fraquezas, seus percalços.  Entre os fatos históricos mais importantes, podem ser elencados a abolição da escravatura (1888), a Proclamação da República (1889), as revoltas militares, o surgimento das primeiras escolas de direito.

Características do Realismo

As características do realismo estão intimamente ligadas ao momento histórico e às novas formas de pensamento:
  • objetivismo = negação do subjetivismo romântico, homem volta-se para fora, o não-eu
  • universalismo substitui o personalismo anterior
  • materialismo que leva à negação do sentimentalismo e da metafísica
  • autores são antimonárquicos e defendem os ideais republicanos
  • nacionalismo e volta ao passado histórico são deixados de lado para enfatizar o presente, o contemporâneo
  • determinismo influenciando o homem e a obra de arte por 3 fatores: meio, momento e raça (hereditariedade)
O Romance realista propriamente dito, no Brasil, foi mais bem cultivado por Machado de Assis. Narrativa preocupada com análises psicológicas dos personagens e fazendo críticas à sociedade a partir do comportamento desses personagens.

Maior representante do Realismo no Brasil: Machado de Assis




















Citações de Machado de Assis:

"Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento."


"Lágrimas não são argumentos."


"Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria."


"O dinheiro não traz felicidade - para quem não sabe o que fazer com ele."


Machado de Assis enquanto poeta escreveu um soneto em homenagem à Carolina, sua esposa:


Carolina


Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.
Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs um mundo inteiro.
Trago-te flores, – restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.
Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.
________________________________________________________
O livro Dom Casmurro, de Machado de Assis, é um dos livros mais lidos e discutidos da Literatura Brasileira. Publicado em 1900, com data de 1899, o livro aborda a questão de um possível adultério narrado em 1a pessoa, o que possibilita dupla interpretação.  Sendo o narrador um homem inseguro, consequentemente ciumento, o leitor se depara com uma história escrita sob a ótica de uma pessoa casmurra e pessimista.
Significado do vocábulo "casmurro":
1. Que ou aquele que é teimoso,cabeçudo, caturra.
2. Que ou aquele que é calado, muito fechado, difícil de conversar ou abordar.
Psicologismo em Dom Casmurro por Marlice Alves Marques (Análise de personagens):
ESCOBAR

Machado de Assis utiliza virtudes como a inteligência, principalmente para a caracterização do personagem Escobar. Homem bonito fisicamente, amigo de Bentinho. Revela um tipo psicológico dotado de capacidade intelectual impressionante, tem facilidade de realizar cálculo. Favorecendo-lhe, mais tarde, no ramo do comércio.

“Não digo mais, que foi muito bem. Nem ele sabia só elogiar e pensar; sabia também calcular depressa e bem. Era das cabeças aritméticas de Homens, não se imagina a facilidade com que ele somava ou multiplicava de cor”.

Além disso, Escobar desperta a admiração de Bentinho, tanto pela intelectualidade quanto pela sua constituição genética. Conquistou a amizade de Bento e de todos da casa de Dona Glória, até mesmo Justina com seu azedume e sua implicância, se esforçou para achar no jovem algo que o desvalorizasse, mas foi em vão.
Os laços entre Escobar e Bentinho são muito visíveis em toda a obra, como no capítulo XLIV.

“Fiquei tão entusiasmado com a facilidade mental do meu amigo que não pude deixar de abraçá-lo. Era no pátio; outros seminaristas notaram a nossa efusão; um padre que estava com ele não gostou.
- A modéstia, disse-nos, não consente esses gestos excessivos; podem estimar-se com moderação.
Escobar observou-me que os outros e o padre falavam de inveja e propôs-me viver separado. Interrompi-o dizendo que não, se era inveja, tanto pior, para eles.
-Fiquemos ainda mais amigos até aqui. Escobar apertou-me a mão às escondidas, com tal força que ainda me doem os dedos. “É ilusão, decerto.”

Escobar, psicologicamente, caracteriza-se como uma pessoa alegre, amistosa, equilibrada, faz amigos facilmente e trata as mulheres com muita afeição e carinho, por exemplo quando chama a Sancha (de Sanchinha), sua esposa; (de cunhadinha) para Capitu, mulher do amigo Bentinho.
De certa forma, este personagem é forte e, no psicologismo de Bento Santiago, o supera. Talvez seja esse o motivo da discórdia e da suspeita de Bentinho em relação a paternidade de Ezequiel e do caráter moral de Capitu.


BENTINHO

Bento Santiago é considerado por alguns autores como o personagem mais complexo do romance “Dom Casmurro”. Pois é analisado com vários traços psicológicos no decorrer da obra.
Em sua infância, Bentinho vive um grande dilema, entre a promessa feita por sua mãe de colocá-lo ao seminário por ter nascido são e o namoro com Capitu, sua vizinha. A profunda insegurança psicológica é ponto principal do personagem machadiano.
Pode-se observar que ele é considerado uma pessoa facilmente sugestionável, ou seja, sempre diz “sim” para não ofender ou contrariar as pessoas. È o que ocorre quando sua mãe lhe impõe que entre para o seminário.
“…Bentinho há de satisfazer os desejos de sua mãe…É promessa, há de cumprir sim”

Nesse contexto, o protagonista faz uma analogia entre sua vida e a passagem bíblica que narra a história do filho de Abraão, Isaac_ indo cumprir ao sacrifício que Deus o ordenou:

“…como Abraão, minha mãe levou o filho ao monte da visão, e mais a lenda para o holocausto, o fogo e o cutelo…”

Em outra situação pode-se dizer que o protagonista deixa-se levar pelas emoções e pelos sentimentos e, isso faz com que Capitu pense e decida por ele, tornando-o um ser frágil, protegido e sem idéias próprias.

“…Capitu repetiu-os acentuando alguns, como principais, e inquiria-me depois sobre eles, a ver se entendera bem , se não trocara uns por outros. E insistia em que pedisse com boa cara, mas assim como quem pede um copo de água à pessoa que tem obrigação de o trazer…”

Um outro traço psicológico que se pode citar é o comportamento exagerado ao bem próprio, sem atender aos outros. O egoísmo invade sua mente, obcecado para sair do seminário e ficar com Capitu, chega a desejar a morte de sua própria mãe, pois assim ficaria livre da promessa.

“…o terror me segredou ao coração, não estas palavras, pois nada articulou parecido com palavras, mas uma idéia que poderia ser traduzida por elas:”mamãe defunta, acaba o seminário…”

Uma de suas principais características era o ciúme exagerado que sentia por Capitu, o qual lhe trazia insegurança e desconfiança. Bentinho por ser tão frágil, deixa se dominar por pensamentos negativos que o ciúme lhe trazia a mente. Como qualquer pessoa ciumenta, imagina situações que muitas vezes não são verdadeiras, com isso o ciúme só lhe traz desespero e sofrimento.”

“…cheguei a ter ciúme de tudo e de todos. Um vizinho, um par de valsa, qualquer homem moço ou maduro me enchia de terror ou de desconfiança…”

Machado apresenta atitudes que despertam, muito, a atenção do leitor através das ações de Bentinho, quando deixa fluir seu lado macabro, frio e calculista ao ponto de planejar a sua morte, para acabar com o sofrimento que tomava conta de sua alma. É essa manifestação visível da cólera e, de modo violenta, que Freud considera a manifestação do instinto da morte. Com esse mesmo comportamento, chega a pensar em matar sua prima, por esta insinuar que Capitu estivesse namorando outro rapaz.

“…não a matei por não ter a mão ferro nem corda, pistola nem punhal; mas os olhos que lhe deitei; se pudessem matar, teriam suprido tudo…”

O instinto macabro do personagem lhe afligia tanto a alma que ele até pensou em dar a xícara de café envenenado ao próprio filho Ezequiel, além de desejar a morte de sua esposa.
Percebe-se que no romance houve o adultério psicológico entre Bentinho e Sancha, esposa do amigo Escobar. Bentinho sentiu-se atraído por algum instante pela beleza de Sancha , que devido a troca de olhares, faz da despedida uma insinuante atração sexual.

“…não havia jeito de esquecer a mão de Sancha nem os olhares que trocamos…”
“…uma sensação me correu todo o corpo…”

Em um feedback, o autor explora o maior conflito psicológico de Bentinho que é a dúvida e a insegurança acerca da paternidade do menino Ezequiel. A princípio surgiam apenas suspeitas, depois o autor apresenta fortes evidências; começam a surgir problemas conjugais como a separação do casal e até mesmo a rejeição pelo suposto filho Ezequiel. Essa insegurança lhe provoca o bloqueio emocional e a situação angustiante que lhe acompanha durante todo o enredo.
Segundo o crítico Woll é a própria natureza, através de semelhanças entre o filho Ezequiel e Escobar, que coloca Bentinho diante da necessidade de decidir-se e reconhecer a verdade sem que para tal, a natureza lhe forneça indícios ou até provas seguras, levando-o ao desespero. Soma-se a isso, o comportamento de Capitu no enterro do amigo Escobar, o que faz tornar claro à visão de Bentinho o adultério da esposa.

“ …A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas…”

Entre todos os conflitos psicológicos, que o personagem vive, é muitas vezes supersticioso quando diz que foi educado no terror do dia de sexta-feira, é um dia de agouro. Essa característica está presente, também, em “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, no personagem Lobo Neves.

Segundo o estudioso da Literatura Afrânio Coutinho, Bentinho é o tipo de personagem de Machado de Assis que consegue retornar ao passado, mas não a sua sensação, por isso vive isolado e melancólico.
Pode-se perceber que após a morte de Capitu e de Ezequiel, Bentinho permaneceu isolado no casarão que mandou construir com as mesmas estruturas de sua casa na Rua Matacavalos. 
As obras machadianas caracterizam-se por esse conflito psicológico. A dúvida e a incerteza são apresentadas, mas não são esclarecidas, e isso proporciona ao leitor que faça uma análise mais profunda para dar seu ponto de vista e assim tirar suas conclusões sobre as personagens e suas respectivas ações.
Um fato muito curioso, que numa primeira leitura fica quase imperceptível, é uma possível relação afetiva entre bentinho e Escobar, uma vez que trocam expressões e gestos ternos e afetuosos, por vezes demoradamente:

“…não fitava de rosto, não falava claro nem seguido:as mãos não apertavam as outras, nem se deixavam apertar delas, porque os dedos, eram delgados e curtos, quando a gente cuidava tê-los entre os seus…”

Novamente a intimidade entre os dois personagens despertam curiosidades...

“…quando ele entrou na minha intimidade pedia-me freqüentemente explicações e repetições miúdas[…]Eu, seduzido pelas palavras dele, estive quase a contar-lhe logo, logo, a minha história. A princípio fui tímido, mas ele fez-se entrando na minha confiança…” 
“Os padres gostavam de mim, os rapazes também, e Escobar mais que os rapazes e os padres”

“…quando voltei ao seminário, na quarta-feira, achei-o inquieto; disse-me que era sua intenção ir ver-me, se eu me demorasse mais um dia em casa”.

São vários os indícios que sugerem uma relação de afeto e de companheirismo íntimos. Após sua saída do seminário, mesmo casado, não se afastou do amigo tão querido, coloca no seu filho o nome do parceiro e até a morte de Escobar não foi o suficiente para que ele deixasse de ser cultuado, pois a fotografia de Escobar ainda permanecia na parede de sua sala, nem mesmo Capitu, a eterna amante, mereceu tamanha veneração.


CAPITU

Através da análise do romance “Dom Casmurro”, comparando com outros de autoria machadiana, observa-se que a grande parte das uniões conjugais descrita é insatisfatória e as mulheres mantém um conformismo diante de seus casamentos desastrados.

“ Clara (Ressurreição) aceitou passivamente a realidade que lhe deram…”

São casos de amor contrariados, conflitos abafados entre as quatro paredes do lar, que de forma alguma poderiam a ordem social e familiar dos leitores e, sobretudo, dos membros da burguesia da época. Os acontecimentos são entremeados de explicações aos leitores, de construções sobre o “por dentro” dos personagens. Parece que o próprio romancista estava consciente que as coisas que escrevia não eram exatamente semelhante ao que se produzia na época. Conforme afirma em seu romance “ Ressurreição”;

“Não quis fazer romance de costumes, tentei o esboço de uma situação e o contraste de dois caracteres; com esses simples elementos busquei o interesse do livro”. 

Com a ambigüidade e a parcialidade que bento retrata Capitu, apresenta uma personagem densa de comportamento insinuante e surpreendente. Ela é uma das personagens femininas mais intrigantes da Literatura brasileira. E o que mais se sabe sobre Capitu obtém-se através do perfil moral, do modo de ser que o esposo preocupa-se em narrar.
Segundo Agripino Grieco, crítico de tiradas bem humoradas, o romancista em questão, aflora a fisionomia moral de Capitu sob a expressão visual, pois os olhos são os principais refletores da essência humana.

Em Dom Casmurro, José Dias refere-se à Capitu dizendo para Bentinho ; “…A gente Pádua não é todo má, Capitu, apesar daqueles olhos que o diabo lhe deu…você já reparou nos olhos dela?São assim de cigana oblíqua e dissimulada. Pois, apesar deles, poderia passar, se não fosse a vaidade e a adulação…” Para José Dias, Capitu exterioriza sua personalidade através do olhar, a considerava uma moça dissimulada, maliciosa,
sinuosa, astuciosa e fingida. A dissimulação se confirma quando Capitu escreve no muro “BENTO CAPITOLINA” em inteligentemente, consegue fingir a seu pai, logo em seguida quando fita seu olhar em Bentinho, confirmando o jogo do siso, negando assim seu sentimento amoroso por bentinho.
Ao tentar comprovar a afirmação que José Dias fizera sobre Capitu, Bentinho observa os olhos de sua amada e sente se envolvendo, cada vez mais, por aquela feição misteriosa e enérgica que lhe arrastava para dentro. Na narração que segue percebe-se caramente a segurança e a determinação de Capitu sobre Bentinho:

“…mas eu também juro! Juro, Capitu, juro por Deus nosso Senhor que só me casarei com você. Basta isto?
_Queria bastar, disse ela; eu não me atrevo a pedir mais. Sim você jura…
Mas juremos por outro modo; juremos que nos havemos de casar um com outro, haja o que houver… A cabeça da minha amiga sabia pensar claro e depressa.”

Confere-se nesse trecho a astúcia e a extroversão de Capitu. Pois como o narrador descreve o modo de pensar de sua amiga, é bastante coerente com a teoria de Jung que caracteriza a pessoa extrovertida àquela autoconfiante em suas idéias e em seus sentimentos.
Veja-se como Machado descreve as ações e as reações de sua heroína:

“Capitu, a princípio não disse nada. Recolheu os olhos, meteu-os em si e deixam-se estar com as pupilas vagas e surdas.
…Capitu não parecia crer nem descrer, não parecia sequer ouvir, era uma figura de pau… enfim, tomou a si, mas tinha a cara lívida, e rompeu nestas palavras furiosas:
_Beata! Carola! Papa missas!”

Perante a descrição feita, observa-se os traços fortes e marcantes da personagem, os quais anunciam um comportamento observador, temperamental, impulsivo e com um tom agressivo. Porém, a personagem age de acordo com as circunstâncias; por exemplo, quando ela observa que Bentinho rejeita e ao mesmo tempo diz que o pequeno Ezequiel não é seu filho, Capitu renuncia ao marido, através de suas intuições; todavia, submete-se às ordens do ciumento Bentinho.


Com base em informações contidas na obra, como em umas aqui mencionadas, supõe-se que uma mulher como Capitu, com todas as características observadas, seria capaz de encontrar outra solução para si, pois o ficcionista a colocou como ativa desde antes do casamento e cheia de vontade própria. Aprendeu a ler, escrever e contar; francês, doutrina e obras de agulha, mas não aprendeu a fazer renda; por isso mesmo quis que prima Justina lhe ensinasse. Se não estudou latim com o padre Cabral foi porque este, depois de lho propor gracejando, acabou dizendo que latim não era língua para meninas”. E isso foi o que mais causou interesse à menina. Vê-se aí que Capitu estava sempre em busca do além de sua época.


Enquanto, após o matrimônio, o romancista situa a personagem em um contexto passivo e submisso. Capitu passa a ser “parte” do marido. Dotada de pudor, de virtude, de recato e de paz doméstica. Na verdade, Capitu foi um enigma e continuará sendo, para nós, para os estudiosos e para os demais leitores das obras machadianas.

25 curiosidades acerca da biografia de Machado:


________________________________________________________

O naturalismo é uma ramificação do Realismo. Ou seja, todo livro naturalista é realista, mas nem toda obra realista é naturalista. No naturalismo, o homem é encarado como produto biológico que age a partir de instintos controlados, ou não, pelo meio em que vive. Para o naturalismo, o homem é claramente um produto do meio em que vive.  Há uma preferência por temas como miséria, adultério, crimes, problemas sociais, taras sexuais, etc. 

Características do Naturalismo

- Romance experimental, apoiado na experimentação e observação científica.

- A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de fora para dentro”, os personagens tendem a se simplificar, pois são vistos como joguetes, pacientes dos fatores biológicos, históricos e sociais que determinam suas ações, pensamentos e sentimento.

- Volta-se para a biologia e a patologia, centrando-se mais no social.

- As obras retratam as camadas inferiores, o proletariado, os marginalizados e, normalmente, os personagens são oriundos dessas classes sociais mais baixas.

- o tratamento dos temas com base em uma visão determinista conduz e direciona as conclusões do leitor e empobrece literariamente os textos.

Maior representante do Naturalismo no Brasil: Aluísio de Azevedo



Curiosidades sobre o poeta, dramaturgo e romancista (http://ossembiblioteca.wordpress.com/)


De acordo com o que se sabe dele, ele ia aos locais onde imaginava as suas histórias e mergulhava naquela realidade, se misturando às pessoas que inspiravam os seus personagens. Dizem que ele os desenhava em papel cartão, os recortava, criando bonequinhos e os usava como em um teatrinho de fantoches para criar suas histórias. Além disso, outra fofoca é a de que ele escrevia os seus textos de uma paulada só, sem revisar nem nada…

Aluísio de Azevedo enquanto poeta escreveu:

"Pobre amor"

''Calcula, minha amiga, que tortura!
Amo-te muito e muito, e, todavia,
Preferira morrer a ver-te um dia
Merecer o labéu de esposa impura!

Que te não enterneça esta loucura,
Que te não mova nunca esta agonia,
Que eu muito sofra porque és casta e pura,
Que, se o não foras, quanto eu sofreria!

Ah! Quanto eu sofreria se alegrasses
Com teus beijos de amor, meus lábios tristes,
Com teus beijos de amor, as minhas faces!

Persiste na moral em que persistes.
Ah! Quanto eu sofreria se pecasses,
Mas quanto sofro mais porque resistes!''


A obra "O Cortiço"



Um dos maiores clássicos de Aluísio de Azevedo chama-se "O Cortiço". O livro foi publicado em 1890 e teve bastante prestígio logo que foi publicado. Trata-se, em linhas gerais, do caminho desonesto, percorrido por João Romão, para ficar rico. João Romão torna-se proprietário de um cortiço cheio de personagens que se tornam imprescindíveis para a caracterização naturalista pretendida pelo autor.

Características dos personagens da obra "O Cortiço"


          João Romão – esperto, miserável, inescrupuloso (chegando, muitas vezes a margear a desumanidade), ganancioso, empreendedor, enganador e invejoso. É o dono do cortiço no qual se ambienta o livro. É “marido” de Bertoleza. “... deixando de pagar todas as vezes que podia e nunca deixando de receber, enganando os fregueses, roubando nos pesos e nas medidas...”.      (Inocêncio Solimões)

          Bertoleza – trabalhadora, submissa, sonhava com a liberdade por meio de uma carta de alforria. É enganada por João Romão quando este falsifica sua carta de alforria. Representa o arquétipo da mulher ideal nos moldes da época, acrescido do fato de ser negra e escrava. “E, no entanto, adorava o amigo, tinha por ele o fanatismo irracional das caboclas do Amazonas pelo branco a que se escravizam, (...) são capazes de matar-se para poupar do seu ídolo a vergonha do seu amor.”
“... às quatro da madrugada estava já na faina de todos os dias...” (Inocêncio Solimões)
          
          Jerônimo – nostálgico, forte, trabalhador, dedicado e honesto. É casado com Piedade, mas sucumbe à malemolência de Rita Baiana. “... a força de touro que o tornava respeitado e temido por todo pessoal...”, “... grande seriedade do seu caráter e a pureza austera dos seus costumes...”. “... um pulso de Hércules...”.  (Inocêncio Solimões)

          Piedade – submissa, honesta e trabalhadora. Era esposa de Jerônimo, e, assim como Bertoleza, se assemelha nos aspectos psicológicos. “Piedade merecia bem o seu homem, muito diligente, sadia, honesta, forte, bem acomodada com tudo e com todos, trabalhando de sol a sol e dando sempre tão boas contas da obrigação, que os seus fregueses de roupa, apesar daquela mudança para Botafogo, não a deixaram quase todos.” (Inocêncio Solimões)

          Firmo – gastador, vadio, galanteador, charlatão e presunçoso. Amigo de Rita Baiana, é descrito como “um mulato pachola, delgado de corpo e ágil como um cabrito; capadócio de marca, pernóstico, só de maçadas, e todo ele se quebrando nos seus movimentos de capoeira”. “...Era oficial de torneiro, oficial perito e vadio: ganhava uma semana para gastar num dia...”. (Inocêncio Solimões)

          Rita Baiana – malemolente, sensual, alegre e assanhada. É objeto de desejo da maioria dos homens do cortiço. “E toda ela respirava o asseio das brasileiras e um odor sensual de trevos e plantas aromáticas. Irrequieta, saracoteando o atrevido e rijo quadril baiano, respondia para a direita e para a esquerda, pondo à mostra um fio de dentes claros e brilhantes que enriqueciam a sua fisionomia com um realce fascinador.” (Inocêncio Solimões)

          Pombinha – amiga, inteligente e pura. Representa o extremo oposto de Rita Baiana, com sua beleza imaculada. “A filha era a flor do cortiço (...) Bonita, posto que enfermiça e nervosa ao último ponto: loura muito pálida, com uns modos de menina de boa família”. “...era muito querida por toda aquela gente.”
“Era quem escrevia cartas (...) quem tirava as contas; quem lia os jornais...”  (Inocêncio Solimões)

          Léonie – prostituindo-se, independe dos homens. “... com as suas roupas exageradas e barulhentas de cocote à francesa, levantava rumor quando lá ia e punha expressões de assombro em todas as caras.” (Davi Pinheiro)

          Miranda – invejoso, ganancioso, rico, esperto, oportunista, não era feliz no casamento, entretanto, continuou casado pois dependia do dote de sua esposa, D. Estela. “... o Miranda pilhou-a em flagrante delito de adultério; ficou furioso e o seu primeiro impulso foi de mandá-la para o diabo junto com o cúmplice; mas a sua casa comercial garantia-se com o dote que ela trouxera...”   (Davi Pinheiro)

            D. Estela – adultera e presunçosa. “...senhora pretensiosa e com fumaças de nobreza...” 
(Davi Pinheiro)

          Zulmira – vivia para satisfazer a vontade do pai. “...pálida, magrinha, com pequeninas manchas roxas nas mucosas do nariz, das pálpebras e dos lábios (...) olhos grandes, negros, vivos e maliciosos.” (Davi Pinheiro)

          Henrique – estimado de Dona Estela. “Dona Estela, no cabo de pouco tempo, mostrou por ele estima quase maternal...” (Davi Pinheiro)

          Botelho – antipático e parasita.“... muito macilento, com uns óculos redondos que lhe aumentavam o tamanho da pupila e davam-lhe à cara uma expressão de abutre...”.
“...via-se totalmente sem recursos e vegetava à sombra do Miranda...”  (Davi Pinheiro)



posted under | 0 Comments

O ci-ne-ma silábico do menino! Por Aline Pereira

O nome do menino? Não é preciso. Aos seis anos, arrancado dos pais adotivos, ouviu o cochicho da mãe biológica: _ O guri ficou bonito e robusto, quero ele de volta! Os pais adotivos, com quem ele estava desde bebê, não sabiam endireitar o causo com Direito. Não fizeram nada além de chorar. Saudade e estranhamento: o pai de sangue era usuário do cachimbo crackento. O menino vivia a olhar o quintal da mãe de amor: as famílias moravam na mesma ruela de pó. Aquela mãe ali, a que esteve presa a ele pelo cordão umbilical, também lhe tinha amor. Um amor confuso. Ele não queria confusão: _ Quero aprender a ler, professora! Naquele ano: não aprendeu. Mal dormiu, nem brincou. Suspenso, as famílias de cada letra também lhes soavam azucrinantes. Nada colava na mente. O pesadelo alternava entre casa e escola. Também o fel do sentir-se incapaz. Todos aprovados, ele retido. O desgosto da reprovação. No segundo ano de escola, os pais biológicos desistiram mais uma vez do menino. Mas os sons das sílabas... _ Socorro, o som das sílabas! Vinham associados ao drama do ano anterior. _ Deve ser disléxico, vamos aprová-lo para que ele faça amizades! Passaram-se anos em que o menino interpretou a figura de um malandro que não o habitava. Estava tolhido do exercício de sua brandura: _ Se eu fizer bagunça na classe, todos vão pensar que não preencho o exercício do caderno por ser ‘bagunceiro’. Assim, ninguém vai saber que sou analfabeto! E continuou, na nova escola em que o matricularam, interpretando o menino tolo que não era. Os professores do novo endereço não quiseram adotar a mentira. Tomou-se providências. Sugeriu-se ao menino que a verdade fosse revelada à classe para que ele contasse com a solidariedade dos amigos que ele conquistaria com os fatos reais. Escolheu a omissão: _ Não quero que saibam. Todos vão me zoar, professora! A maioria das crianças mostrava-se sensível àquela história muito nova de um menino grande que não sabia ler. Observavam atentos as ações do colega: ele se aquietava na hora de copiar qualquer coisa da lousa, mas escrevia palavras aleatórias de outras lições para preencher o tempo e as lacunas. Uma senhorinha da escola o ajudava a subir uma ladeira íngreme que o conduzia cada vez mais perto dos gibis, dos significados das palavras da lousa, das revistas com figuras bonitas e suas legendas. Quando estava chegando no topo da ladeira das sílabas, permitiu que a professora contasse à classe a verdade. Havia outro sonho ENORME: ele poderia, enfim, retornar a si. Não seria mais preciso dissimular. Sonhava em ser amável com os colegas. Sonhava em dizer, como qualquer outra criatura “não sei”, acreditando que logo adiante passaria a saber. Ao final daquele ano, conhecia pouco para ser considerado menino alfabetizado: queriam reprová-lo e ficaria isolado em classe desconhecida. Para convencer o corpo docente de que ele deveria seguir com a classe que o acolhera, a senhorinha que o convencia do céu azul ao final da ladeira narrou detalhes delicados aos professores. Ela contou sobre o primeiro dia em que o garoto sentiu vibrar em suas cordas vocais uma palavra encantada por sua tessitura de sons e significados. Sua mestra enrugada e delicada o despertou de uma sonolência de 14 anos. Ela o ajudou a dominar no peito uma porção de sonhos quando o menino leu pela primeira vez, ainda que silabicamente a palavra ‘ci – ne – ma’. Maravilhou-se. CINEMA!!! Agora bem rápido e sem gaguejar exclamou a palavra antes que lhe fugisse da cabeça. Continuaram aparecendo uma porção de enigmas e situações cabeludas de resolver, entretanto decidiu, naquele dia, que outros milagres tinham que acontecer: creu todo esse tempo que fosse burro de nascença. Começou a escrita independente com um bilhetinho de amor composto sem a certeza de que chegaria às mãos de Sabrina. Isso era menos importante, afinal, naquele momento eram paquerados todos os nomes do mundo.

posted under | 0 Comments

De olho no filme: Billy Elliot


Imagem do filme Billy Elliot, lançado em 2000 pelo diretor Stephen Daudryn



Produções da 8ª 01




Billy, o bailarino principal
Autores: Giovana Stinghen, Lucas de Medeiros e Wellington de Lima

O pai de Billy deixou a greve para dar mais atenção à família dele e para bancar a viagem de Billy até a escola de ballet. O pai de Billy passou a ser mais feliz depois que ele deixou o preconceito de lado e aceitou a escolha de seu filho, passou até a ter orgulho dele quando o viu em cima daquele palco no dia da apresentação em que Billy se tornou o bailarino principal.

Realizando um sonho
Autores: Joicy Tomaz, Amanda França e John Batista

O pai de Billy era uma pessoa preconceituosa e tinha medo de que o filho virasse homossexual e o fato de o  filho dançar ballet também frustrava o sonho do pai de ter um filho boxeador. Por outro lado, o pai foi muito agressivo com o filho, ele estava mais preocupado com o que os outros falariam do que com o sonho do filho.

Billy só tinha olhos para o ballet
Autores: Amanda Dias , Michele Bento, Rafael Dias

Billy Elliot: enquanto Billy treinava boxe, não conseguia tirar os olhos da aula de ballet e, aos poucos, foi percebendo que o ballet mexia com ele.  Sua persistência o ajudou a se tornar um bo bailarino.

Sra. Wilkinson: Ela foi muito importante na vida e na carreira de Billy. Ela percebeu que o menino tinha muito talento para o ballet, foi igual uma mãe para ele, o apoiou e o ajudou com os passos difíceis para ele e com os problemas familiares de Billy. Mostrou que ele era capaz.

Pai de Billy: o pai Billy gostava de boxe e era muito machista, e não queria que o filho fizesse aulas de ballet, mas depois começou a perceber que seu filho tinha dom para dança e aceitou.

A melhor decisão
Autores: Suelen Silvestre, Daniel Freire e Diovana Martins

Billy foi corajoso ao mostrar ao pai o que ele realmente queria fazer e o que ele sabia fazer. Ele fez o que a consciência e o que o coração mandou e talvez se ele não tivesse tomado aquela decisão ele não teria mostrado o grande talento dele que era dançar ballet.  Portanto, ele tomou a decisão exata correndo atrás do que ele realmente gostava e realizado o sonho de ser bailarino. Nós temos mesmo que ir atrás do que queremos.

Enfrentando o preconceito
Autores: Sara Rosa, Luiz Santos, Allan de Oliveira e Adriel Porcina

O filme nos mostra que não devemos ter preconceito porque todos nós adolescentes e adultos somos iguais, independente da nossa opção sexual. Não devemos ter preconceito com ninguém, não importa o que a pessoa gosta de fazer, nem o que esta pessoa pretenda exercer quando crescer. Devemos tentar ganhar a confiança de nossos pais para que acreditem nos nossos objetivos. Não podemos interferir no sonho dos outros.

Conflitos em família
Autores: Quézia Maia, Samara Inácio e Vitória Moreira

A família de Billy tinha preconceito pelo fato de o garoto ter escolhido a carreira de bailarino, assim causando discussões entre eles.  A morte da mãe de Billy causou muitas brigas entre a família; e a falta que o pai do Billy sentia da esposa era descontada nos filhos.  A família da senhora Wilkinson sofria com o marido desligado de tudo e alcooólatra, além de ser um pai muito ausente para a sua filha Debbie.

Entre o boxe e a dança
Autores: Gabriel, João Victor e Mayara

O filme deve ser assistido por ser um filme que conta uma história de um menino chamado Billy Elliot, que sofreu a perda da sua mãe. Billy mora com o seu pai, seu irmão e sua avó em uma casa modesta de uma cidade da Inglaterra. Seu pai se encontra numa greve trabalhista, mas trabalha duro para sustentar sua família.  O sonho do pai de Billy era que o filho lutasse boxe, mas Billy entra para o ballet. Mais tarde, o pai de Billy se convence de que o filho tinha o do da dança e ajuda o filho a realizar o sonho.

A magia do ballet
Autores: Letícia, Adriane e Denion

Billy foi muito guerreiro, mesmo sabendo que iria passar por todos esses preconceitos. Foi o jeito que ele achou de se sentir mais perto da sua mãe. A dança tirava a sua raiva, ele se sentia nas nuvens, se sentia leve e feliz, mais forte e confiante. Enfrentou tudo pela dança, inclusive o preconceito de seu pai e seu irmão. Enfim, Billy realizou seu sonho e se tornou um bailarino famoso.

                  Imagem do filme Billy Elliot



Produções da 8ª 02






Características de alguns personagens
Autores: Thaís Serpa, João Barbosa, Sabrina Santos e Indianara

Billy: era um menino que lutava box. Vendo vários meninos dançando ballet, interessou-se pela dança e começou a praticar. Até que descobriu em si um grande talento.

Sr. Elliot: era um homem muito agressivo que carregava em seu coração uma mágoa muito grande pela morte de sua esposa. E, apesar de ele achar que seu filho era gay por fazer ballet, no final ele deixou o orgulho de lado e ajudou seu filho a realizar o sonho de ser bailarino.

Sra. Wilkinson: Ela era uma professora de ballet e também mãe de Debbie, amiga de Billy. A sra. Wilkinson resolveu ajudar o Billy a ser bailarino, dando aulas particulares a ele e dando muito incentivo para ele não desistir. Ela também tinha muitos problemas em casa, e mesmo assim não desistiu de Billy.

A rejeição e depois a realização de um sonho
Autores: Giovana Hermes, Lyncon Rigobeli, Gabrielle Jimenez, Gabrieli Hermes

Nós precisamos primeiro analisar como essa pessoa foi criada, ou a cultura do pai de Billy porque cada pai tem a sua opinião. A maioria dos pais querem realizar o próprio sonho transferindo-o aos seus filhos. É tão simples os pais perguntarem aos seus filhos qual é o seu sonho.

Uma mensagem de persistência
Autores: Djonatan Arns, Larissa de Almeida e Rhuan Voltoline

Uma das lições que podemos tirar do filme é que Billy Elliot quis mostrar que o preconceito que ele teve por parte de seu pai e seu irmão poderia ser vencido. Nenhum problema foi motivo para ele desistir. O filme pode ser útil para todos os públicos, especialmente para os meninos que sonham em ser bailarinos, mas têm medo dos preconceitos que podem enfrentar.

Um significado para a vida
Autores: Cristina Yonezu, Thaís Ziegler, Janaína da Silva e André dos Santos

Billy se senti livre como o fogo e a eletricidade. Com a dança, podia ser ele mesmo esquecendo dos conflitos com sua família. Era como um “instinto”. A música fazia-o flutuar e sentir a presença de sua mãe e nada poderia fazê-lo parar.

Preconceito: algo que machuca
Autores: Júlio Capistrano, Amanda Peres e Suelen de Souza

O filme relata uma situação na vida de muitas pessoas: os preconceitos que machucam. O filme tenta nos mostrar superação e a luta contra o preconceito. É interessante esse filme porque ele deixa a quem o assiste curioso para saber se Billy conseguirá realizar seu sonho: ser bailarino.

Talento reconhecido pelo pai
Autores: Jéssica Brusque, Amanda Sabino, Wanderson Bouvakiades

Billy tomou a decisão certa, mas não a mais fácil. A dança era tudo para ele e também trazia lembranças da mãe que acabara de morrer, porém sofreu muito para conquistar seu sonho. O preconceito que sofria por parte do irmão fazia com que Billy pensasse em desistir de seus objetivos, mas com o tempo seu pai reconheceu seu talento e o ajudou a conquistar seu sonho. Ele conquistou a admiração da sua família.  

Reconhecendo o talento do filho
Autores: Camila Bittencourt, Sarah Caroline da Rosa, Mirelle Sabrina Tavares

No início, o pai de Billy não era totalmente a favor de Billy dançar ballet, mas quando Billy o enfrentou e dançou para ele, ficou maravilhado com o talento de seu filho, lutando para que esse talento fosse avistado pelo mundo.

posted under | 7 Comments
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial

Quem sou eu

Minha foto
Professora de Língua Portuguesa e Literatura da rede pública estadual nas séries de Ensino Fundamental e Médio. Amante de música. Libertária. aline.correio@gmail.com

Diagnóstico Social

Diagnóstico Social
Diagnóstico Social da Criança e do Adolescente de Joinville

Followers


Recent Comments